dom. ago 25th, 2019

Cynthia Rothrock – A estrela das artes marciais no Brasil

Quem era adolescente na década de 90, certamente assistiu algum filme da estrela das artes marciais Cynthia Rothrock.

Cynthia Rothrock na década de 90 atuou nos Filmes como Leis Marciais, Garras de Tigre, Lady Dragon, Código de Honra, O desafio final e tantos outros, eram exibidos à exaustão na TV aberta, numa época pré-internet.

Seus filmes eram sucesso nas extintas videolocadoras, a ponto do renomado crítico de cinema Rubens Ewald Filho (falecido recentemente) ter descrito ela como a “Van damme de saias”, e completou afirmando que neste gênero ela era uma estrela .

De férias pela primeira vez no Brasil, Cynthia Rothrock desembarcou no Rio de Janeiro para curtir as paisagens cariocas antes de viajar para Foz do Iguaçu. Nosso bate papo ocorreu em um quiosque na praia de Copacabana, sugestão dela que estava hospedada ali próximo.

Ela me recebe com um sorriso contagiante, cuja simplicidade logo me cativou, mesmo sendo uma estrela, Cynthia tem os pés no chão, fala sobre os mais variados assuntos com brilho nos olhos e esbanjando simpatia.

A perita em artes marciais é dona de 6 faixas pretas, como Taekwondo, Tang Soo Do (arte marcial coreana), Karatê, Kung Fu (chinês clássico, contemporâneo etc) e outras disciplinas marciais. O início nos tatames foi aos 13 anos de idade, e aos 18 ela já competia profissionalmente, em uma época onde apenas homens praticavam lutas e sequer havia uma modalidade de divisão para as mulheres.


Entre os anos de 1981 e 1985, Cynthia Rothrock foi cinco vezes Campeã Mundial de Karatê em performance e com armas, onde é avaliado a fluidez do movimento ao invés da luta. Ela também foi a primeira mulher a estampar a capa da revista Black Belt especializada em artes marciais, aos poucos, ela ia se destacando e rompendo barreiras e preconceitos em um segmento massivamente masculino.

A carreira de atriz surgiu por acaso, em 1985 a companhia chinesa de cinema Golden Harvest tinha ido a Califórnia para testar lutadores para atuar em filmes de ação na China, a ideia era encontrar um novo Bruce Lee. Cynthia era a única mulher no teste e suas habilidades impressionaram tanto os executivos, que eles decidiram que ao invés de um astro, seria uma estrela.
Ela protagoniza ao lado da atriz oriental Michelle Yeoh, o filme de ação Yes madam, que se torna um sucesso de bilheteria, sendo um passaporte para a atriz viver em Hong Kong durante 4 anos, onde atuou em diversos outros filmes, sempre como protagonista. Dessa safra, Lady Repórter (1988) é o mais conhecido no Brasil, e é o filme que Cynthia mais se orgulha das cenas de luta e ação, não é a toa que ela teve alguns acidentes e ferimentos durante as filmagens.

Após este período na China, onde também fez um filme na Tailândia (Retroceder Nunca Render-se Jamais parte II), Cynthia roda alguns filmes na Indonésia (Código de Honra II, Lady Dragon I e II), este último elogiado pela crítica internacional especializada e alguns poucos nos Estados Unidos (China O´brien, Leis Marciais). 


Consagrada na Ásia, ela volta para os Estados Unidos definitivamente, decidida a consolidar sua carreira na terra do tio sam, se fixando em Santa Mônica na Califórnia. Durante toda a década de 90, ela roda inúmeros filmes seguidos, que eram distribuídos no Brasil pouco tempo depois, conquistando uma legião de fãs pelo mundo afora.

Nos últimos anos, Cynthia tem viajado o mundo inteiro fazendo esportes de aventura, questionei a ela se após tanto tempo trabalhando sem parar, se nos últimos tempos ela estava se dedicando mais a ela mesma, fazendo as coisas que gosta. Ela afirma que não foi por essa razão, e de fato trabalhou muito na década de 90, mas ela ressalta que deu um tempo na carreira a partir de 1999 quando se tornou mãe.

Durante anos, o lado mãe falou mais alto e Cynthia curtiu com intensidade esse momento, viajando a lazer com a filha, descobrindo assim uma segunda paixão: os esportes de aventura.
Bike, canoagem, trekking, escalada, rapel, mergulho são algumas das atividades que a especialista em artes marciais adora fazer em suas viagens nos quatro cantos do mundo.

Sobre ter sido a primeira mulher a protagonizar filmes de ação/luta, ela afirma que tem ciência que é uma pioneira no gênero, tendo aberto caminho em um meio dominado por atores homens, e avisa que mesmo nos dias de hoje, ainda é difícil para uma mulher se destacar no cinema de ação. E recorda que quando decidiu retomar a carreira após a filha se tornar adolescente, teve que abrir as portas novamente, e não foi uma tarefa fácil, mas no final ela teve êxito.

Com mais de 50 filmes no currículo e 35 anos de carreira, ela teve a chance de trabalhar com os grandes nomes das artes marciais, que antes de se tornar atores, já tinham experiência em lutas, tais como: Richard Norton, Jeff Wincott, Sam Jones, Bolo Yeung, Jalal Merhi, Loren Avedon e vários outros.

Ao longo da entrevista, Cynthia Rothrock comenta que os filmes de ação/luta mudaram muito, na época dela, os filmes eram de baixo orçamento, havia dublês e nenhum efeito especial, hoje, os filmes custam milhões de dólares e usam CGI e outros efeitos especiais. Mesmo assim, ela avisa que aqueles filmes do passado são bons mesmo nos dias de hoje.

Sobre novos projetos, Cynthia responde que irá rodar um filme logo que retornar de viagem, onde fará 2 personagens, algo totalmente diferente do que ela tem feito, além disso, planeja também fazer um documentário sobre sua carreira, contando sua trajetória. Paralelo a isso, ela viaja o mundo inteiro participando de seminários e eventos sobre artes marciais, principalmente na Europa, isso sem contar as viagens a lazer, como está no Brasil.

E por falar no país, Cynthia passou despercebida pelos cariocas, seu rosto em nada mudou, o físico atlético também não, porém o visual loiro de cabelos curtos ficou no passado, hoje ela ostenta cabelos longos, pretos com mechas lilás e arriscou até uns dreads nas pontas. Difícil de acreditar que a musa dos filmes de pancadaria já passou dos 55 anos há algum tempo.

No Rio, ela visitou o Corcovado, Pão de Açúcar, Jardim Botânico, Lapa, Catedral Metropolitana e a região central do Porto Maravilha. Também fez a trilha do Forte do Leme, onde ficou encantada com os micos (saguis) que habitam o local. Perguntei se ela havia se arriscado a dar um mergulho no mar de Copacabana, e ela responde que não, pois prefere atividades mais radicais.

Do Rio, ela partiu para Foz do Iguaçu, estava empolgada para conhecer as famosas cataratas e fazer o passeio de barco que se aproxima das quedas. Sobre as bebidas brasileiras, ela se derrete em elogios para a caipirinha, dizendo ser a melhor bebida que já provou desde que chegou aqui.
Coincidências à parte, eu havia levado uma garrafa de cachaça Santo Grau para presenteá-la, pois queria dar algo tipicamente brasileiro, com a promessa de enviar para ela depois a receita do preparo da bebida.

Ao relembrar sua extensa carreira, Cynthia ressalta sentir orgulho por ter sido a primeira mulher a estrelar filmes luta, sendo uma referência no gênero, mas que não pensa muito sobre isso, embora esteja feliz com a trajetória que conquistou, servindo de inspiração para outras mulheres.
Outra coisa que também faz a atriz feliz é viajar, ela confessa que adora conhecer novos lugares, culturas, ver como as pessoas vivem de modo geral.


Atriz Cynthia RothRock e Jornalista André Araujo

Em termos de viagens, Cynthia Rothrock tem seminários e eventos de artes marciais agendados na Itália e Suíça este ano, depois ela segue para Nova Zelândia onde fará esportes de aventura.

De fato, suas viagens não param, do Brasil ela voa ainda para a Argentina e também Chile, suas jornadas pelo mundo afora já incluíram escalada no Mt. Everest e Fuji no Japão, mergulho em Zanzibar, safari na Tanzânia, trekking na Patagônia, trilhas no Peru, e hiking nas montanhas geladas da Antártica e diversas outras aventuras.

Em se tratando de fama, ela é categórica “quem gosta de artes marciais e filmes de ação sabe quem eu sou, aqueles que não curtem, dificilmente me conhecem”, mesmo assim, cabe ressaltar que senhora Rothrock tem uma legião de fãs no mundo inteiro, principalmente na China, Filipinas e Indonésia. 

Ela se recorda de duas ocasiões (na França e nos EUA) onde o assédio após sair de um evento foi tão grande a ponto de deixar a expert em artes marciais assustada, sendo necessário seguranças intervirem; Fora isso, a abordagem do público é sempre carinhosa e ela frisa que o sucesso dela também se deve ao fãs.

Além dos filmes de ação, Cynthia Rothrock participou também da série Hércules, do desenho animado Eek the cat, fazendo ela mesma, e o personagem Sonya Blade do game Mortal Kombat foi inspirada nela. Por duas vezes, lançou videos de defesa pessoal para mulheres, inclusive no filme Olho por Olho protagonizado pela atriz Sally Field, Cynthia faz uma pequena participação no papel de uma instrutora de defesa pessoal.

Cynthia Rothrock é uma mulher fascinante, atriz bem sucedida, mãe dedicada, exímia lutadora, uma figura de múltiplos talentos, e como o próprio Rubens Ewald Filho salientou em sua longa crítica  “ela é a única no gênero, ela não tem rival, é uma estrela”.

Texto Por: André Araújo (Consultor de Turismo & Jornalista )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *