ter. out 20th, 2020

Bruce Lee – A Revolução no Cinema das Artes Marciais

Ele mudou o cinema das artes marciais, mas só conseguiu a fama que queria após a sua morte

Como vimos nos artigos anteriores, o caminho de Bruce Lee no cinema não foi fácil, principalmente uma carreira nos EUA, mas ele ainda não desistiu da vida do cinema, e seu amigo James Coburn sugeriu que ele tentasse a carreira na Ásia. Ele fechou contrato com a produtora Golden Harvest de Raymond Chow (apesar de ser o mesmo nome não tem parentesco com a Ruby Chow), e em 1971 começou a carreira de sucesso dele. Na época ele fechou contrato para fazer 3 filmes, e seu plano era emplacar no cinema asiático e depois retornar para o cinema americano e fazer um filme de grande sucesso.

James Coburn e Bruce Lee

A Golden Harvest era uma produtora pequena na época, e estava começando, e como não tinha recursos suficientes, Bruce Lee acabou apostando na produtora, pois a falta de recursos foi uma vantagem, já que tinha uma grande autonomia para rodar seus filmes. Ele podia interferir na direção, edição para fazer um filme que fosse do seu gosto, valorizando principalmente as cenas de luta.

O primeiro filme foi “The Big Boss” (1971), ou O Dragão Chinês. A história é sobre um jovem, Cheng Chao, que sai da sua terra natal e vai para para a casa de seus tios para trabalhar em uma fábrica de gelo. Porém o dono é ligado a traficantes de drogas e mulheres. Cheng Chao e seus primos tentam acabar com a quadrilha lutando kung fu.

Bruce Lee nos bastidores

O filme fez muito sucesso na época, com cenas de lutas jamais vistos no cinemas. Críticas o colocavam como o maior ator de artes marciais já visto. O filme bateu recordes milionários na Tailândia, Cingapura e Hong Kong. Ele se tornou a estrela dos filmes asiáticos.

Bruce Lee no filme “O Dragão Chinês”
Bruce Lee e Linda, a direita, na estreia do filme “O Dragão Chinês”, com Raymond Chow à esquerda

Em 1972, veio o segundo sucesso de sua carreira, “Fist of Fury”, ou A fúria do Dragão, ou Chinese Connection, nos EUA. A história se passa em Xangai, em 1908, e Bruce Lee interpreta Chen, que junto com seus amigos enfrentam os japoneses que sempre ficam os insultando. O filme era totalmente focado na rivalidade entre China e Japão. Foi sucesso de bilheteria também, e o filme conta com muitas cenas de luta, que foi o que agradou o público.

Foi nesse filme que começaram os desentendimentos, principalmente com os produtores da Golden Harvest. Ele pedia para repetir as cenas várias vezes e chegava a orientar os atores para explicar a maneira correta, na sua visão, de como aplicar o golpe.

Raymond Chow e Bruce Lee discutindo idéias para um novo filme
Bruce Lee no filme “A Fúria do Dragão”

Há relatos que sua fama foi tão grande que lutadores, entre amadores e profissionais, iam até o set de filmagem para pedir um duelo e dizem que ele até pedia para gravar a luta para parecer real. E eram tantos que queriam desafiá-lo, que ele chegou a andar com guarda costas. Não sabemos até que ponto isso é verídico.

No mesmo ano de Fist of Fury, saiu “The Way of the Dragon”, Vôo do Dragão, nessa produção Bruce chegou a discutir com os produtores da Golden Harvest. Ele queria ser diretor e roteirista. Seu desejo foi cumprido e ele foi diretor do filme, criou o roteiro e coreografou todas as cenas de luta. Na história, Tang Lung (Bruce Lee) vai até Roma para ajudar um amigo que está sendo ameaçado pela máfia local.

Bruce chamou seu aluno, Chuck Norris, para fazer o personagem Colt, que era um dos gângsters. E quis gravar “a” luta em um dos lugares mais famosos de Roma. A cena de luta foi gravada em 3 dias, mas graças a perfeição de Bruce Lee, a cena se tornou um clássico nos filmes de kung fu. A qualidade técnica de ambos era impressionante, que a cada corte eles eram muito aplaudidos.

Bruce Lee e Chuck Norris

Apesar de ser sucesso na Ásia, Bruce ainda queria chegar aos cinemas americanos.  Em entrevista para o jornal The South China Post, falou que havia muitas pessoas que queria se aproveitar da imagem dele e que chegou a recusar um convite para participar da máfia chinesa.

Ainda sem ter um espaço no cinema americano, ele começou uma nova produção “Game of Death”, Jogo da Morte, nesse filme Bruce Lee seria Billy Lo, que teria que salvar sua namorada de gângsters. Mas para salvá-la ele teria que entrar em uma torre, tipo um pagode com cinco pavimentos, cada um deles tinha um lutador diferente com tipos de lutas diferentes: karatê, wing chun e esgrima por exemplo.

O ultimo lutador era o aluno dele e jogador de basquete Kareem Abdul – Jabbar. Devido ao perfeccionismo de Bruce, as cenas com Kareem demoraram 10 dias. O filme em si demorou meses para ser feito e acabou não sendo finalizado por Bruce devido a sua morte. Para aproveitar o tempo gravado, e também um pouco da sua fama, principalmente após a sua morte, finalizaram o filme com outros atores que se pareciam com ele, um deles foi o Yuen Biao.

Bruce Lee e Kareem Abdul Jabar

Como  a fama de Bruce já estava ecoando nos EUA, dois executivos da Warner, Fred Weintraub  e Peter Heller, procuraram Bruce Lee durante as gravações de Game of Death, para um projeto em Hollywood, o “Enter the Dragon”, ou “Operação Dragão”. Bruce aceitou o trabalho, voltou para os EUA para finalmente fazer o tão sonhado filme de produção americana.

As gravações começaram em janeiro de 1973, mas o Bruce Lee faltou duas semanas no set com a desculpa que ele estava repensando melhor no roteiro. Ele entregou para o diretor, Robert Clouse, sequencias de lutas e até a posição da câmera para registrar essas cenas.

A história é sobre uma vingança de um lutador do Templo de Shaolin pelo assassinato de sua irmã. Ele acaba indo para uma fortaleza cheia de bandidos em uma ilha e acaba enfrentando um a um.

Bruce Lee nos bastidores do filme “Operação Dragão”

Bruce Lee foi uma peça fundamental nas filmagens, principalmente na luta dos espelhos, ele trabalhou muito no movimento das câmeras para fazer as cenas de luta. Esse filme realmente fez ele se tornar uma lenda.

O filme rendeu 100 milhões de dólares, sendo que ele nem custou 1 milhão.

Em abril de 1973 acabou as gravações do “Enter the Dragon”, e em 10 de maio ele começou apresentar sinais que sua saúde não estava legal, se queixava de dores de cabeça com frequência.

Ele havia voltado para Hong Kong para terminar as gravações de Game of Death, dentro da sala de edição ele se sentiu mal e desmaiou. Foi levado para o hospital Baptist de Hong Kong e chegou a entrar em coma, mas se recuperou dias depois.

Com a vida intenção de gravação e treinamento, ele chegou a perder 6kg, além disso fumava haxixe e tomava muitos analgésicos, pois dizia que amenizava o stress.

Bruce fez uma bateria de exames em Los Angeles e viram que ele tinha um acúmulo de fluido no cérebro devido a uma convulsão que ele teve antes de entrar em coma e receitou um remédio para epilepsia.

Bruce estava ansioso e bem irritado para terminar as edições do filme Enter the Dragon, a Warner já tinha planos para estreia, algumas propostas de filmes e até entrevistas na TV marcadas.

Bruce Lee no filme Operação Dragão

Bruce voltou para Hong Kong para terminar as gravações de Game of Death. Em junho teve outro desmaio em um restaurante com produtores da Golden Harvest, e foi diagnosticado como stress. Ele voltou aos trabalhos vendo roteiros e coreografando cenas de luta.

20 de julho de 1973, Bruce Lee marcou um Raymond Chow uma reunião em um restaurante e  foi ate a casa da atriz Betty Ting Pei. Havia boatos que eles tinham um caso, uma vez que sempre andavam juntos.

Ele sentiu uma forte dor de cabeça e tomou o remedio Equagesic e resolveu se deitar. Betty tentaram acordar sem sucesso e foi levado para o Hospital Queen Elizabeth, e as 22h30 foi confirmado sua morte. A causa da morte foi edema cerebral aguda devido a uma reação alérgica ao medicamento.

Steve McQueen prestando condolências ao túmulo de Bruce Lee (Bettmann/Getty Images) Fonte: https://www.foxnews.com/entertainment/bruce-lee-may-have-died-from-a-heat-stroke-new-book-claims

Sua morte foi noticiada em todos os jornais de Hong Kong, uns dando ênfase por ser jovem e estar no auge da fama, outros dando destaque por ter morrido na casa de sua suposta amante.

Mais de 50 mil pessoas compareceram ao funeral dele em Hong Kong, mas ele foi enterrado em Seattle, EUA, no dia 31 de julho.

A causa da morte sempre foi motivo de investigações, uns dizem que foi overdose de remédios ou drogas, como haxixe e cocaína. Outros dizem que ele foi assassinado pela mafia chinesa uma vez que ele não se juntou ao grupo, outros até associam a morte por haver muitos inimigos que não gostavam de sua postura com relação as artes marciais.

O filme Enter the Dragon foi lançado em agosto de 1973. Esse filme foi o maior sucesso de bilheteria que o Bruce Lee teve.

Bibliografia:
TORRES, José A. M. Bruce Lee: O Inesquecível. São Paulo: Editora Escala.
LOPES, Marco Antonio. Bruce Lee: Definitivo. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2006.
BOWMAN, Paul. Treasures of Bruce Lee: The Official Story Of The Legendary Martial Artist. Milwaukee: Applause Theatre & Cinema Books, 2013

Imagens: Todas retiradas do livro Treasures of Bruce Lee: The Official Story Of The Legendary Martial Artist – Paul Bowman (2013)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *