sáb. ago 8th, 2020

Wong Jack Man vs. Bruce Lee, a verdadeira história por trás dessa luta

A história que o filme “A Origem do Dragão” não contou

Wong Jack Man

Como é de conhecimento por todos, ou pelo menos pela maioria, o Wong Jack Man morreu no dia 26 de dezembro de 2018. Ele residia na cidade de São Francisco – Califórnia, e era mestre de Taijiquan, Xingyiquan e do estilo Shaolin do Norte.

Infelizmente ele não era lembrado por ser um dos representantes das artes tradicionais chinesas na América, mas sim pela sua luta com o Bruce Lee. E hoje falaremos um pouco sobre a mitologia por trás dessa história.

A luta aconteceu no final de outubro de 1964, na academia do Bruce Lee com apenas sete testemunhas. Mas existe vários mitos envolvendo essa luta, e tentarei ir desmistificando no decorrer do texto.

Um parênteses antes de começar, recentemente saiu um filme sobre essa luta, “Birth of the Dragon” (2017), ou em português, “A origem do dragão”. O filme se contextualiza nesse acontecimento, mas foge muito da realidade. Isso é um assunto que posso me aprofundar depois em um review do filme.

Voltando aos fatos, um dos maiores mitos na história que envolve Bruce Lee, é que ele foi duramente criticado pelos artistas marciais de Chinatown de São Francisco, por ensinar kung fu para os ocidentais, por isso mandaram Wong Jack Man para lutar com ele. A história se contradiz, pois Bruce Lee foi para São Francisco em 1959, uma vez que por três décadas, dois mestres de ja lecionavam na região, o Lau Bun e Ty Wong. Em 1930, Lau Bun fundou a primeira academia na América, a Hung Sing. 

Lau Bun (esq.) e Ty Wong (dir.)

Para quem não sabe, Bruce Lee nasceu em São Francisco, Califórnia, em 1940, mas cresceu em Hong Kong. Ele retornou para os EUA em 1959. O período da sua adolescência, ele treinou com o mestre de Wing Chun, Ip Man. Lembrando que ele não chegou a finalizar todas as técnicas com o mestre Ip.

Lau Bun e alunos avançados

Lau Bun e Ty Wong eram muito disciplinados e não permitia que seus alunos brigassem na rua ou desafiassem outras academias. Isso era normal em Hong Kong, e isso foi muito presente na vida de Bruce Lee. 

Além disso Lau Bun e Ty Wong tiveram muitos alunos ocidentais. Um dos alunos mais conhecidos era o Al Novak, um veterano de guerra que treinou com o Ty Wong, e anos mais tarde entrou o Noel O’Brien, um adolescente irlandês. Com Lau Bun treinou um havaiano, Cliffors Kamaga, e ele não fazia nenhuma oposição ao seu aluno mais graduado Bing Chan, que aceitava alunos de todos os tipos.

Ty Wong (centro), Noel O’Brien (acima, dir.)

Em 1965, um mestre de kung fu respeitados em Los Angeles, deu uma entrevista para a revista Black Belt Magazine, onde ele falava explicitamente que ele estava aceitando qualquer tipo de aluno para aprender com ele.

Claro que a quantidade de ocidentais que treinavam com Bruce Lee era muito maior, mas já podemos descartar a teoria que lecionar para “estrangeiros” naquela época era proibido. Outra parte que não faz muito sentido é que se Lau Bun e Ty Wong tinham problemas com o Bruce Lee, por que eles mandariam um outro artista marcial lutar por eles? Eles tinham condições de lutar, não?

Bruce Lee e seus alunos de Oakland

Eis que surge um ponto crucial que contribuiu para todas as tensões e e nas várias histórias que envolvem Bruce Lee, a sua personalidade.

Em 1959, assim que Bruce Lee chegou em São Francisco, ele foi até a academia de Lau Bun, e segundo o um aluno graduado Sam Louie, Bruce Lee fez algumas demonstrações e tentou falar que Wing Chun era melhor. Lau Bun o expulsou de sua academia. 

Em 1963, Bruce Lee publicou seu primeiro livro “Chinese Gong Fu – The Philosophical Art of Self-Defense“, com a ajuda de James Lee (não tinham parentesco). James era um operário, que tinha uma reputação quando jovem de ser um lutador de rua e body builder. Naquela época ele já olhava de outra forma para as artes marciais, desenvolveu seu próprio equipamento de treino, treinos modernos na sua gararem e publicou vários livros sobre o assunto. Ele foi responsável em apresentar Bruce Lee para outros artistas marciais inovadores como o americano pioneiro do Karatê Kenpo, Ed Parker. 

Em Novembro 1963, na escola de kenpo do Ralph Castro: Bruce Lee, Ed Parker e James Lee.

No livro, Bruce Lee já começa a compartilhar um pouco das suas idéias sobre as artes marciais. O problema que ele causa uma tensão quando, no capítulo “Diferenças nos estilos de Kung Fu “, ele começa a “desmontar” algumas técnicas e as fotos de estudo de caso são justamente do livro to Ty Wong, publicado em 1961. Nesse capitulo, Bruce Lee começa a distinguir o que ele chama de “Sistema superior”, que no caso é o dele, e os sistemas que ele julga como “Sistemas mais lentos”, que seria do Ty Wong, que foi apresentado no livro, e de outros mais “tradicionais”, como o de Lau Bun. Ty Wong, claro, não gostou nada disso e o chamou de “Dissidente com maus modos”. 

Livro: Comparação entre os estilos de Ty Wong e Bruce Lee

Na mesma época que o livro foi publicado, Wong Jack Man veio para Chinatown. Foi o primeiro a trazer o estilo Shaolin do Norte, e já ficou popular na região por sua dedicação sua alta habilidade. Como todos estavam impressionados com o Wong Jack Man na época, o pessoal de Chinatown acabou evitando um pouco o Bruce Lee.

Em 1964, Bruce começou a fazer demonstrações em palestras para grandes públicos, ele chamava seus pensamentos de “brigas de ruas científicas”. Ele demonstrava outros estilos, e explicava o porquê eles não funcionavam em um briga de rua. O estilo que ele mais demonstrava e depois criticava era justamente o estilo Shaolin do Norte.

O estopim foi em Agosto de 1964, no torneiro de Karatê de Ed Parker, Long Beach Tournament. Ele começou a criticar os outros estilos, e até chegou a falar como o Mabu, ou postura do cavalo, era ineficaz. Apesar de ser um evento que sempre foi lembrado como um marco positivo, metade do público presente não viu a apresentação com bons olhos. Muitos acharam Bruce Lee arrogante, e ele se achava superior aos demais. Depois de algumas semanas ele chegou a fazer duras críticas para Lau Bun e Ty Wong no Sun Sing Theatre, no coração de Chinatown de São Francisco, onde os dois mestres eram altamente respeitados. 

Demonstração do Bruce Lee no Torneio de Long Beach de Karatê do Ed Parker.

Motivos para um duelo, conseguimos reunir vários, mas onde entra Wong Jack Man dessa história?

Existem duas teorias para essa luta: a primeira é que Wong Jack Man queria promover sua academia de Kung fu e se apropriou dessa situação de tensão para esse duelo, que claro, ia ser uma grande luta. Um jovem que estava desafiando e provocando os estilo tradicionais, contra um artista marcial de grande habilidade que virou sensação de Chinatown. Segundo David Chin, um praticante de Tai Chi na época, Wong Jack Man havia dito algo parecido na época. Mas a outra teoria que é mais falada por fontes locais na época é que simplesmente levaram Wong Jack Man para lutar.

No dia da luta, ao todo tinha nove pessoas: Bruce Lee e Wong Jack Man; as testemunhas de Bruce Lee, sua esposa Linda Lee e seu amigo James Lee; as testemunhas de Wong Jack Man, David Chin e Chan “Bald Head” Keung (Ambos frequentavam a academia Ghee Yau Seah, uma espécie de clube de Tai Chi)  e atrás deles havia três pessoas, que segundo Wong Jack Man, foi somente para fazer bagunça.

Segundo David Chin, a luta não durou mais que sete minutos. Apesar de David Chin e Linda Lee estarem de lados opostos, ambos tem um relato parecido:  a luta foi rápida, furiosa e longe de ser cinematográfica. Bruce Lee já deu um primeiro golpe e lutou para ver o oponente longe, e rapidamente já se viu cansado. Mas em um dos avanços de Bruce Lee, Wong tropeçou em um degrau e caiu.

Logo Bruce Lee foi para cima e gritou se ele se rendia. Sem ter como sair, Wong não teve escolha a não ser se render. Até os dias de hoje Wong Jack Man não fala sobre o assunto, Logo depois da luta veio os exageros em cima do que aconteceu, como Wong ter feito uma Headlock no Bruce enquanto os policiais não chegavam, Bruce bater a cabeça de Wong na parede, e claro no filme “A origem do dragão“, falar que a a luta durou 20 minutos (??!!!!). Nos jornais locais,começaram as noticias a respeito da luta em que Bruce Lee e Wong Jack Man negam começar ou perder a luta.

Essa luta serviu para que Bruce Lee refletisse a respeito de suas técnicas e condicionamentos, foi aí que ele começou a formar o seu novo sistema de luta, o Jeet Kune Do. No sistema ele pegou uma base do Wing Chun, esgrima, boxe, além de outras artes mariciais e tem uma abordagem bem filosófica. Apesar de David Chin estar do lado oposto de Bruce Lee, ele fez a seguinte declaração: “As coisas que Bruce estava dizendo naquela época eram verdadeiras. Eu discordei dele na época, mas ele estava certo”. Não é a toa que Bruce Lee é um artista marcial fora de série, apesar de sua arrogância, ele estudou afundo as artes marciais e pegou tudo que as outras artes marciais tem de melhor e trouxe isso para o combate real. 

Meu texto foi com base no texto da revista Vice. Algumas imagens foram retiradas dessa matéria.

13 thoughts on “Wong Jack Man vs. Bruce Lee, a verdadeira história por trás dessa luta

  1. Oi Mariana adorei seus matéria, é mui difícil ver mulheres com gosto para as artes marciais.
    Me chamo Ian e foi um prazer ler sua matéria. Forte abraço.

    1. Oi Ian!

      Que bom que gostou! Realmente é difícil ver mulheres que gostem tanto assim de artes marciais, mas acredite, esse público está crescendo e começando a enxergar o kung fu com outros olhos.

      Um abraço! e espero que continue nos acompanhando!

  2. Sem dúvida nenhuma, foram grandes os feitos desses caras. Tão grandes que exageram.
    Um deles pula de um telhado e dizem que voou. Outro bate em três e dizem que foram treze.
    Apesar disso, merecem nosso respeito.

  3. Oi Mariana , eu havia lido em alguns blogs e revistas que nesta luta o Bruce havia lutado de forma meio exagerada e alvorocada, surpreendendo o Wong, tentando acertar golpes letais na garganta de Wong Jack man, que mau conseguia se esquivar das investidas, ate que ele se rendeu, e que um reporter qe soubera da luta, foi no dia seguinte ate o restaurante que Wong trabalhava como garcon e viu varias marcas e arranhoes no rosto e pescoco dele , comprovando supostamente a historia…

    1. Milton!
      Muito legal essa parte da história, eu não conhecia! é legal compartilhar isso aqui com a gente, obrigada mesmo!

      Tem varias histórias dessa luta e até mesmo que Bruce Lee não sabia de nada, que ele era mais ator do que um artista marcial, mas na verdade acho que nunca saberemos o que é real ou não!

      Mas fiquei muito feliz pelo comentário e espero que possa contribuir em outros post se tiver algo a nos acrescentar!

      Abraço!

  4. Parabéns, já havia lido muita coisa e realmente todas sem muito sentido se for analisar bem. Uma pena o mestre Wong ter morrido recentemente e não poder receber assim como Bruce este reconhecimento. Sou fan dos filmes de Bruce e de sua dedicação pelo Kung Fu, mas fica claro que ele precisou se moldar também para crescer como pessoa. Uma pena ter partido cedo, poderia ter se desenvolvido muito mais assim como suas obras e quem sabe ter deixado muito mais ensinamentos para nos os amantes de artes marciais. Quem sabe até onde ele teria chegado…?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *